quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Para escrever...

Imagino que todo mundo que tem um blog de textos gosta de escrever. O blog é apenas uma ponta do iceberg. Sob o oceano há o nosso desejo de ser escritor de sucesso, publicar muitos livros, ter muitos leitores, ganhar dinheiro com isso, ser "dono do tempo" como Paulo Coelho na Revista Caras. O que é necessário para que isso aconteça? Bem, muitos fatores fogem do nosso controle. Mas outros, a maioria eu diria, depende de nós.

O jornal Rascunho http://www.rascunho.com.br/ deste mês – publicação especializada em literatura, editada em Curitiba, que acaba de chegar ao nº 100 – traz duas páginas com 10 dicas de 6 escritores para se tornar escritor. O título é Mãos à obra e a abertura tem uma frase que chamou minha atenção:

Neste mundo em que a pressa tenta nos engolir a todos, a literatura precisa (e muito) de tempo, paciência, introspecção...

Logo abaixo, entre as 10 dicas de Ivana Arruda Leite – autora de Falo de Mulher e Eu te darei o céu, entre outros – vem assim:

Isole-se. O silêncio é a matéria-prima do escritor. Cada noite que você passa na balada é uma página a menos que escreve. Isso pode parecer pouco, mas ao longo da vida faz diferença entre o escritor que chega lá e o que morre na praia cercado de amigos (bêbados).

Hahaha!... Ivana não é nenhuma monja, estava comigo no Bar Mercearia, em São Paulo, após o bate-papo de Arriaga e Bracco, na Livraria da Vila. Mas o que ela diz ficou martelando a minha cabeça.

Para ser escritor é preciso vencer várias etapas. E o pior: não sabemos que elas existem, vão se revelando à medida que conquistamos cada uma delas. A primeira é se manter escrevendo, independente da profissão escolhida. Eu tive a chance de optar pelo jornalismo – para me manter escrevendo, conscientemente – mas muita gente sofre pressão da família, etc, e acaba se formando em advogado, médico, engenheiro, apesar de querer escrever. Alguns são fiéis a seu talento, como Moacyr Scliar, que é médico especializado em Saúde Pública, mas excepcional escritor. Outros deixam pra lá, esquecem...

Depois, é preciso ler muito. Clássicos, contemporâneos... Obrigar-se a ler, mesmo gêneros dos quais não se gosta, mas para saber como é, como se faz. Isso requer tempo e persistência.

Depois, encontrar sua própria voz, seu jeito pessoal de contas as histórias. Há inúmeros livros sobre o tema.

E agora, mais um desafio: encontrar tempo para escrever. Difícil!... Trabalho, filhos, namorado, amigos, vida social, estudo. O mundo nos chama em outras direções. É preciso viver, aproveitar a vida, afinal. E a escrita? Qual lugar ocupa em nossas vidas?

Conheci um editor de Porto Alegre que me contou que João Gilberto Noll, por exemplo, vive andando sozinho pela cidade. Vai a bares sozinho; nas férias, aluga casa na praia sozinho. O homem vive para a literatura. Em sua palestra na Bienal de SP, outra frase que ficou na minha cabeça:

Tenho 62 anos. Se não fosse a literatura, acho que eu ficava aí mais uns dois ou três anos, e depois ia embora. Pra que?...

Também não precisa ser assim... Mas outro exemplo é meu pai, jornalista super-bem-sucedido que sonhava ser escritor, mas nunca publicou um livro. Ele mesmo dizia porque, lembrando o conselho de Érico Veríssimo.

Justino, para ser escritor, é preciso sentar a bunda numa cadeira...

E o meu pai não sentava nunca.

Enfim... Ando muito reflexiva; efeito pós-bienal. Aguardo seus comentários, ponderações, observações, considerações...

14 comentários:

Carolina disse...

Pois é...
Você já leu Cartas a um jovem Poeta de Rilke?
bjos

Pâmela disse...

Bem, podemos dizer que não é fácil mesmo. Exige uma dedicação maior do que pensamos. E, depois, temos que conseguir uma editora disposta a publicar (e tem que ser no eixo Rio-São Paulo. Sorte sua que você já está aí. Pros lados de cá, pro interior do país, é MUITO mais difícil). E ainda rezar pra fazer sucesso...
Mas, como na vida nada é de graça e precisa de algum esforço mínimo, os que merecem, chegam lá.
Claro que nem todos que chegaram mereceram e nem todos que mereceram chegaram, mas a gente torce para estar entre os que mereceram E chegaram...
Beijos!

Claudia Goulart disse...

Valéria, seu blog é uma leitura obrigatório pra mim.
Seja falando do amor ou de dicas como agora, você consegue ir ao ponto certo.
Obrigada por compartilhar conosco.
bjs

Azamor disse...

Querida Valéria
Eu bem que tento escrever. Aos trancos e barrancos, mas tento.
Bj
Vania

Azamor disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Azamor disse...

Querida Valéria
Eu bem que tento escrever. Aos trancos e barrancos, mas tento.
Bj
Vania

Azamor disse...

Querida Valéria
Eu bem que tento escrever. Aos trancos e barrancos, mas tento.
Bj
Vania

Azamor disse...

Querida Valéria
Eu bem que tento escrever. Aos trancos e barrancos, mas tento.
Bj
Vania

Pâmela disse...

Hahahahaha, verdade.
Já vou à academia, acho que posso tirar o peso da consciência também!
Quanto à poesia, na verdade é a letra da música Infinito Particular, da Marisa Monte mesmo. Antes eu pudesse escrever bem assim!
Beijos!

Monica Loureiro disse...

Gostei muito deste POST....Tenho vontade de ser uma escritora, desde pequena...

Lembro do tempo que a Internet ainda não era famosa , e eu mandava cartas para as pessoas, pelo Correio..Era muito legal o reconhecimento. Eu geralmente escrevia para pessoas que precisavam de esperança.Ficava procurando textos bacanas, tirando cópias, e mandando...

Saudades desta época boa....

Carolina disse...

Ai Valéria, ler o que você escreve não é obrigação, é um prazer, mas que torna parada obrigatória, porque a gente sempre está esperando qual vai ser o próximo assunto.
bjos meus

Rosane Queiroz disse...

Valéria, de tudo, acho que sentar a bunca na cadeira é o mais verdadeiro. e ter foco.
saber o que escrever, sentar e escrever, oras

beijos, adorei o post

Pâmela disse...

Vi hoje um comentário que você fez em um post antigo meu. Sabe que eu concordo com você? A conversa flui como se fosse a cores!
Engraçado, né? A tal internet é mesmo interessante, une pessoas de lugares tão distantes que, se não fosse pelo computador, nunca conversariam.
Ótimo finzinho de semana pra você!
Beijos! ^^

Ita Andrade disse...

Valéria, Tenho tanta admiraçao pelo que vc escreve que ainda não consegui postar um coment decente pra vc. mas esse dia ja, ja vai chegar....por hora fique com um abraço dos meus...