quinta-feira, 1 de maio de 2008

O tempo

Meu post mais recente foi domingo passado. Eu havia prometido a mim mesma que atualizaria o blog dia sim, dia não. Mas esse intervalo passou tão rápido e eram tantos os afazeres que são quase quatro dias depois.

Todo mundo comenta que o tempo está passando mais rápido atualmente. Em 2005, fui cobrir como frila a reunião anual da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência) em Fortaleza. Lembro que havia uma tenda interativa – na qual infelizmente não consegui entrar por causa do trabalho – que mostrava cientificamente porque o tempo, de fato, está passando mais rápido ou porque temos essa sensação. Alguns colegas viram e comentaram, impressionados.

A educadora Rose Marie Muraro, em seu livro Textos da fogueira (Ed. Letraviva, 2000), mostra um panorama dos mitos de origem e de destruição da humanidade e comenta que a aceleração que sentimos hoje é fruto das frequentes inovações tecnológicas que intervêem na nossa maneira de viver e fazem com que as informações sejam transmitidas cada vez mais rápido.

Se na Idade da Pedra essas transformações ocorriam em longuíssimos períodos – um milhão e meio de anos entre os hominídeos começarem a confecionar armas para se defender até conseguirem se organizar para usá-las para caçar –, desde a Segunda Guerra Mundial, com a invenção dos primeiros computadores, esses períodos encurtaram. Hoje, a cada ano diversas inovações surgem tornando outras obsoletas e por aí vai.

O que tudo isso tem a ver com a gente? Bem, minha filha de 13 anos, outro dia, num domingo à noite, me perguntou incrédula: "mãe, o fim de semana já acabou? Nossa, parece que ontem era sexta-feira..."

Ou seja, somos levados nessa onda que é o tempo, e que parece se mover numa velocidade cada vez mais rápida. Pior, conspiramos a favor dela. Se estamos no meio da semana, queremos que chegue logo sábado e domingo para que possamos descansar ou nos divertir. Se estamos no meio do mês, queremos que chegue logo o dia 30 para receber salário. E assim, a vida da gente também passa mais rápido.

Essas reflexões vieram à tona porque encontrei, em meio aos meus guardados, um cartão de Feliz Ano Novo que recebi em 2005. Contém versos de um autor desconhecido, do ano 300 d. C., traduzidos do sânscrito.


Saudação ao amanhecer


Concentra-te neste dia que desponta,

pois ele é a própria vida em seu breve curso.

Jazem nele todas as verdades e realidades da tua existência;

a felicidade de crescer, a glória de agir, o esplendor da beleza.

Pois o dia de ontem é apenas um sonho e o amanhã, uma visão.

Mas o dia de hoje, bem vivido,

torna cada dia passado um sonho de felicidade

e cada amanhã uma visão de esperança.

Concentra-te, portanto, neste dia.

Neste dia maravilhoso que desponta!


Aí está o antídoto para a correria do tempo. É um freio totalmente ao nosso alcance. Mas é preciso praticar.



5 comentários:

Denise do Egito disse...

Querida Val, lindo poema. Adorei. Também aqui em casa temos a mesma sensação. Meu filho semana passada comentou: "Nossa, já estamos em abril. Esse ano está passando tão rápido...". E, então, percebi que sofro de outra angústia. A angústia do tempo passado X sonho não realizado. Mas isso já é assunto para uma postagem em breve no meu blog. hehehe
Beijos e obrigada pelo comentário!
Deni

Valéria Martins disse...

Queridoca, então, sugiro que contra essa angústia vc pratique "pensar nos sonhos já realizados". Que tal? Aposto que vai dar uma melhoradinha hehehe. Bjs

Anônimo disse...

Querida Valéria
Que coisa mais linda este poema.
Vou sempre me lembrar da sua sugestão de pensar nos sonhos realizados.Isso deve dar uma paz...
Agora a minha sugestão:
colocar em nossa tela de descanso do computador o poema que você reproduziu.
Bjs
Saudade
Vania

biatrixx disse...

é... o tempo passa.
Esse poema faz pensar, nunca fazemos isso não é? paramos para aproveitar o dia, sempre ficamos pensando no que aconteceu ontem e no que vai acontecer amanhã.
Isso gera muita angústia.
bjinhos
B

Anne disse...

Texto tão antigo e tão atual.
Tão simples e tão complexo.

Tempo, tempo, tempo, tempo....
Vou te fazer um pedido: "Tempo, tempo, tempo, tempo"...
Caetano Veloso em Oração do tempo