sábado, 10 de maio de 2008

Boate Chalana

Abri e fechei os olhos e já está hora de ir buscar minha filha mais velha nas festinhas. Ontem, eu era buscada nas festinhas pelo meu pai, que saía dos jantares e reuniões high society, que freqüentava, para me buscar no Roxy Roller e no Piraquê.

Eu costumava ir na boate Chalana, a maior, para menores, que funciona até hoje nas dependências do clube. O ambiente era o mais familiar possível e o máximo que fazíamos para subverter as ordens e recomendações de nossos pais era dar uns apertos e amassos nuns banquinhos que ficavam na beira da Lagoa, atrás das quadras de tênis, portanto longe dos olhos dos adultos.

Essa semana, minha filha chegou com um pequeno convite verde e ao abrir, voltei no tempo. O endereço da festa era a boate... Chalana (nome horrível, me lembra algo pornográfico). Lá fomos nós ao Piraquê. A entrada mudou, agora há um painel de fotos sobre a Marinha, cafona. O interior foi todo reformado e o salão me pareceu bem menor. Fiz esse comentário com a mãe do aniversariante e ela, também frenqüentadora de outrora, contemporizou: "não sei se era realmente maior ou se nós é que éramos menores e o enxergávamos grande".

De fato, adentrar aquele salão escuro com luzes piscantes, cujos limites eram impossíveis de se enxergar desde a porta, era uma emoção semanal, com hora e dia para se renovar, todo sábado à noite. "Será que o gatinho vai estar? Vai olhar pra mim?"

Deixei minha filhota, fui com meu filho a outra festa, de gente menor (Ufa!), e voltei perto da meia-noite para buscá-la. Entrou no carro agitadíssima: "mamãe, adorei o lugar; as luzes fazem um efeito sinistro; o Dj era bom mas não tocava os funks que a gente pedia porque alguns têm palavrão. Ah, que chato!..."

Pelo visto, o tempo passou mas a Chalana continua a mesma: familiar, mas mmmuuuiiitttooo legal...

8 comentários:

Ana Carolina disse...

Ahhh! Que bacana!! Um perfeito revival. :)
Querida, não coloquei no meu blog eu de pernocas de fora pq eu tô sem depilar...aí ia ficar uó, não na foto que ninguém ia ver, mas pros meus colegas aqui...hahaha!
E o tênis fez um rombo no meu calcanhar :(
Hoje continuarei de calça, mas hoje eu me livro dos pêlos! hahahahahaah!
Beijoca :)

Pablo Lima disse...

"nós é que éramos menores e o enxergávamos grande."

biatrixx disse...

É, acho que éramos menores...
Legal isso, reviver momentos legais da nossa vida. As vezes me vejo nessa situação e acho bárbaro!
lembrar das dancinhas, dos namoricos, dos ficantes, e etc. Agora é a vez dela, sua filhota, achei lindo.
bjinhos

Anônimo disse...

Vá querida,
Ler seu blog hoje me deixou muito feliz. Voltei as nossas sextas no Roxy Roller e as nossas paqueras que nunca davam em nada! E me lembrei com muita saudade da Dona Viro dizendo:"Não sei para que vcs vão lá, não pegam nem resfriado!"
Muitos beijos,
Ana

Valéria Martins disse...

Hahahahahahah!.... É verdade, Ana! A gente viveu intensamente juntas essa época, né? Tinha esquecido o comentário da Virô: pura verdade.
Beijocas com carinho!

Anne disse...

Oi Valeria,

Cheguei aqui por um post do blog "papo calcinha" sobre a falta de tempo. Qual minha surpresa e ver o post "boate chalana". Eu ia pra matines nos anos 70/80. (pouco tempo atrás... risos)
Roxy Roller tbm, Mamão com Acucar... Baita revival, como disse a Ana Carolina!!

Estive por lá há uns 2 anos e tive a mesma impressão de o ambiente ser pequeno.
O mesmo aconteceu ao ir no predio aonde passei os meus primeiros 7 anos de vida. Eu só lembrava que tinha uma escadaria com tapete vermelho e uns metais dourados. Ela ainda existe e dessa forma. Mas me pareceu tão pequena..

Pois é, nós eramos menores e tudo parecia ser enorme, inatingível, tínhamos muito a explorar.

Agora temos tbm uma percepção maior do mundo e temos que dar prioridades pra nossa vida...
Tentamos aprender a dar valor a pequenas coisas que nos fazem feliz, mas também tentamos aprender a não dar importância àqueles minimos detalhes que nos causam dor de cabeça.

Enfim, crescemos! Fisicamente, mas também mentalmente...

Parabéns pelo blog!!

.

Valéria Martins disse...

Obrigada, Anne. Bem-vinda!!!

Dinha disse...

Olá Valéria
Voltei a essa postagem porque me lembrei muito dela, quando ontem minha filha me perguntou se poderia ir a boate Chalana com as amigas do colégio no próximo sábado.
Como não sou do Rio, não compartilhei de sua experiência da adolescência mas fiquei muito animada com a experiência que ela pode ter.
bjs Dinha