quarta-feira, 4 de março de 2009

A medida da vida e do amor... Até a borda

Tomo a liberdade de reproduzir - só dessa vez, juro! - a série Começos inesquecíveis, do blog de literatura Todo Prosa, do jornalista Sérgio Rodrigues, linkado aqui. Faço-o para compartilhar com vocês o início do livro Nos penhascos de mármore (1939), do escritor alemão Ernest Jünger (CosacNaify).

"Todos conheceis a profunda melancolia que nos acerca, ao recordarmos tempos felizes. Eles são irrevogáveis, e deles somos cruelmente separados por uma distância maior que todas as distâncias juntas. Quando tornam a brilhar, as imagens do passado revelam-se ainda mais atraentes: lembramo-nos delas como do corpo da amada que morreu, que descansa nas profundezas da terra e, à semelhança de uma miragem, nos faz estremecer num esplendor mais alto e mais puro. De novo e sempre, em nossos sonhos ardentes, tateamos à sua procura, em cada pormenor e em cada ruga. Tudo se passa como se não tivéssemos enchido até a borda a medida da vida e do amor. E, no entanto, nenhum arrependimento traz de volta o que se perdeu. Ah, que este sentimento se torne uma lição a cada momento de felicidade!"

Tratemos, pois, de encher até a borda a medida da vida e do amor, a cada momento, não apenas os de felicidade, mas todos os momentos! Isso, sim, é estar vivo!




8 comentários:

Rafael Velasquez disse...

tin-tin! rs

Drunken Alina disse...

É mesmo, porque será que sempre lembramos do passado como se ele sempre fosse bem melhor que o presente, sendo que este presente um dia será o passado que acharemos o melhor?
Somos estranhos!!

Babi Mello disse...

REgar a vida é muito importante, regar porque assim continuamos vivos.
Bj!

Pâmela disse...

E eu proponho que ultrapassemos a borda!
Beijos!

Heloísa disse...

Valéria,
Encher até a borda, acho que seria dar sempre o máximo de si, viver com intensidade, procurar sempre fazer o melhor. Assim, dificilmente haverá lugar para o arrependimento.
Beijos

Babi Mello disse...

Valéria tem selinho te esperando no meu blog.

Halime disse...

lindo, lindo, lindo!!

Pablo Lima disse...

isso msm, até a borda!