sábado, 21 de março de 2009

Romântica incurável

Conhecido meu "foi terminado” pela namorada e está mal. O desfecho aconteceu há menos de um mês. Ele me liga e pergunta: “tem alguma amiga solteira pra me apresentar? Preciso de companhia feminina pra esquecer...”

Não sei se sou romântica incurável, mas acho que pegar alguém para esquecer outro, anterior, não dá certo. A única vez em que fiz isso conscientemente não deu certo.

Acho que, primeiro, é preciso perdoar, soltar o outro e os sentimentos que nos mantém ligados a ele. Limpar a área, como já ouvi dizerem muito acertadamente. Então, fertilizar a terra, semear e esperar crescer a nova plantação. Requer paciência, cada vez mais rara.

É um idealismo? A dura realidade é que reagimos mais de acordo com nossos instintos e assim vamos sendo guiados? Quero acreditar que não. Podemos mais que isso.

E vocês, o que acham?






18 comentários:

Heloísa disse...

Valéria,
A foto diz tudo. Quer maior romantismo?
Beijos

Guilherme Montana disse...

É exatamente isso.

Andréa disse...

eua cho que tem casos e casos.
eu me separei há pouco mais de um ano.
e só agora me envolvi com outra pessoa.
mas tem gente que não consegue ficar sozinho, emenda relação atrás de relação, sei lá!
somos diferentes, né?
beijinhos

Cláudia M. disse...

Valéria, eu acho que vc está com toda a razão.
Na m/ opinião, não faz sentido entrar numa relação para esquecer outra, e não entendo essas pessoas que dizem que "não conseguem estar sozinhas"...

Gostei do que vi do seu blog, já guardei o endereço para ler mais um pouco durante a semana. Gosto deste género de blog, que aborda vários assuntos, e nos faz pensar.

Não posso deixar de comentar o caso da menina violentada pelo padrasto, acho um absurdo sem tamanho a atitude da Igreja no caso, acho uma vergonha mesmo. Eu sou cristã, mas não posso de maneira nenhuma concordar com esse tipo de "julgamento".

Bjs.

Adriana Calábria disse...

Cada pessoa ocupa um lugar proprio. Ninguém vai ocupar aquele espaço. É bobagem tentar se enganar...

A nova pessoa pode ser boa companhia, ter afinidades, ser até mais cheia de qualidades...

Mas tem um defeito: Não é "aquela" pessoa!

Bjsss

Vanderhugo disse...

Linda imagem vc usou para ilustrar o texto... eu acredito no amor, apesar de tudo. Acredito na possibilidade de viver um grande amor. Isso depende de cada um.

Agora, mudando de assunto... notei que vc tem um contador de visitas, tentei colocar e apanhei. Como faço???

Bjs e boa semana!

Pâmela disse...

Eu e meu irmão temos ideias diferentes sobre o assunto.
Eu acho que temos que esgotar tudo o que sentimos por outra pessoa primeiro para depois começarmos a nos envolver com outra. Deu certo pra mim.
Ele acha que tem que sair pegando geral, passando o rodo mesmo e ficando com qualquer uma que quiser. Deu certo pra ele.
No final das contas, não sei quem está certo, mas acho que cada um é um...
Beijos!

Monica Loureiro disse...

Acho melhor dar uma "limpada" antes mesmo, senão a pessoa vai se enrolando emocionalmente, e nunca aprende com os erros..

celina disse...

Caramba, coitado do seu amigo. Até onde entendi, ele não quer uma namorada nova, quer apenas uma presença feminina que o ajude a enfrentar os primeiros dias de luto. Seja caridosa, Valéria, apresente uma de suas amigas solteiras que não esteja desesperada por compromisso. Tivesse eu 20 anos menos, bem que me ofereceria (rs). Companhia faz bem. Beijo.

laís D'Andréa disse...

Oi, valéria
Acho que o complicado em "substituir" assim uma pessoa são justamente os sentimentos do "substituto". Se você se envolve com alguém tentando esquecer uma outra pessoa, esse alguém pode começar a nutrir sentimentos por você. Aí, um belo dia, você vira para a pessoa e diz: "Olha, não dá mais, não consigo esquecer uma outra pessoa." Aí não será mais uma pessoa machucada, serão duas. Pode dar certo, mas pode também não dar.

Gostei do blogue!

Carolina disse...

Pra mim curar um amor com outro é mais ou menos assim: síndrome de maria complexo de roubado, isto é, substituição misturada com doses de compensação. Resultado: bomba corrosiva e tóxica na certa!
bjos e boa semana, bonita!

Drunken Alina disse...

Concordo plenamente!!
Sempre fui assim!
Primeiro fiquei só, depois caí na gandaia, depois os caras apareceram de mansinho, e os escolhi para entrarem na minha vida.
Enqto estou com um na cabeça, não dá nem pra COGITAR ficar com qq outro.
Acho que quem quer abafar um amor usando outra pessoa é fraco.
Tem q zoar pra kct até esquecer,depois amarrar o burro =)

Beijãooooo!!!!!

AC disse...

Eu acho que vc está certa.
Parece dieta, não? "Substitua isto por aquilo...". Mas é também uma bandeira enorme do estado de lamentável carência a que a gente às vezes se reduz - essa, sim, talvez incurável. O outro é apenas o objeto precário e sempre provisório que se coloca no lugar do irremediável vazio - que não sabemos se existe, de que tamanho é, se está dentro ou fora... Um vazio semelhante à escuridão do quarto quando se é criança, um vazio que dá medo porque não se sabe o que é, não se sabe o que tem dentro...

AC disse...

Ah, sim... Esqueci de dizer: também quem nunca pensou isso, desejou isso - tirar uma e colocar outra no lugar, assim, automático e indolor? E, claro, uma mais tudo que a anterior - um verdadeiro upgrade do tipo "Vc não sabe o favor que me fez! Vou ser grato a vc o resto da vida!". Nham nham... O nome disso é vingança - e é com ocertos pratos: faz um mal danado, mas é uma delícia!

Rafael Velasquez disse...

parece que está corretíssima.

beijo.

Valéria Martins disse...

Celina, acho que ele tem todo o direito de pegar alguém, mas não uma das minhas amigas. A menos que eu as alertasse, dando um raio X da situação. E diante disso, duvido que alguma delas se interessasse!

Antonio... Muito acertada a sua observação! Tive um namorado que em seguida ao término colocou outra no lugar. Parecia uma troca de camisa. No fundo, eu sabia que não era bem assim... Mas cada um com seu cada um, né?

Esse mesmo ex-namorado tinha uma frase muito boa, que se aplica a todos nós: "cada um faz do jeito que dá". É isso. E viva as diferenças!!!

Pablo Lima disse...

Com cada ser é um caso e vale para ambos os lados!
às vezes vale esperar um pouco após um término, mas aí pode aparecer alguém interessante neste caminho e não é regra desperdiçar esta pessoa porque o coração ainda não está limpo!

enfim, as regras não são muito rígidas quando tratamos deste assunto!

Halime disse...

Sem dúvida, colocar alguém no lugar de outra pessoa só causa mais dor. A gente tem que deixar o tempo passar, as feridas curarem... Pro coração se abrir de novo. Bjs!!