quarta-feira, 4 de junho de 2008

um novo amor ajuda a curar a dor de um amor que acabou?

A postagem Como são os homens teve desdobramentos, comentários in e off blog. Para começar o que é Amor? A resposta é totalmente subjetiva, ainda mais porque todos sabemos que o amor existe mas nenhum cientista é capaz de provar sua existência.

Então, enquanto alguns, ao fim de um amor, se recolhem em isolamento para viver o luto, limpar a área, como diz uma amiga, outros procuram logo outro amor e embarcam em uma nova aventura ao longo da qual acreditam – e quem pode dizer que não – que irão esquecer o amor antigo. Que tipo é você? Ou será que existem variações e podemos agir dessa ou daquela maneira em diferentes situações e épocas da vida?

Eu sempre fui do tipo que vive o luto e nas poucas vezes em que fui levada a agir mais rápído, antes de limpar completamente a área, me dei mal. Quer dizer, toda experiência é válida, mas foram relações tumultuadas e sofridas, cheias de altos e baixos, muito por causa das "interferências" que o que restou do amor antigo causaram. Igual interferência de TV mesmo, como quando acontece de um canal provocar "fantasmas" no outro. A metáfora serve perfeitamente.

Mas em gente que muda de canal rapidamente (aproveitando a metáfora) e se um dia estão vivendo uma história, no outro o enredo é outro, e assim vão tocando a vida. (O carinha que estava se declarando a minha amiga enquanto terminava a relação de dois anos com uma namorada, a propósito, sumiu.)

Em agosto de 2007, vivi uma experiência muito emocionante, digamos assim, ao fim de um ano de namoro. Eu e ele estávamos separados havia pouco tempo após longos anos casados com outras pessoas. Por esse e por outros motivos, a relação foi um tanto quanto desgastante e terminou no osso, por que não dizer, muito por insistência de nós dois, preocupados em administrar um novo "fracasso".

Tudo isso para contar que um mês após o fim do namoro, esse camarada estava circulando com outra de mãos dadas, e com um agravante: somos vizinhos e moramos na mesma rua. Ui! doeu!... Com minha auto-estima abalada, concluí: "não fui importante". Com o tempo, revendo o filme, cheguei à conclusão de que fui importante, sim, o jeito dele lidar com as perdas é que é diferente do meu. Uma amiga em comum endossou: "Valerinha, repare na série histórica!..." Hahaha! É verdade, o que sei desse homem é que nunca ficou só, sempre pulando de um relacionamento para outro. Eu devia ter atentado para a bendita série histórica...

Mas por que toda mulher, quando se apaixona, pensa: Comigo será diferente? Bem, isso é assunto para outro post...

8 comentários:

Claudia Goulart disse...

No meu caso, já vivi as duas situações. Já acabei um relacionamento emendando em outro e já sofri muitas vezes por um relação que terminou, mesmo sabendo que era o melhor a fazer.
Acho que tudo depende da situação, da intensidade do envolvimento e de como as coisas caminham e terminam. O exemplo que vc deu do seu ex, não se aplica a todos os homens (ainda bem!) mas parece que mais cedo ou mais tarde passamos por uma situação dessa ou causamos situação semelhante, afinal somos cheios de imperfeições. E acho que sabemos quando entramos numa furada, né?! Tudo vale como aprendizado. bj

Claudia Goulart disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Denise do Egito disse...

Bela reflexão. Pessoalmente já te disse o que penso.
Agora chegou minha vez de dizer: que sincronicidade! Leia minha última postagem...
Um beijo

Cardume Design disse...

O meu amor me ajudou a curar a dor de outro amor. Alías, ele fez muito melhor: ele me mostrou o que realmente é amor.
Antes dele já passei por poucas e boas. E o que isso me trouxe de ensinamento?? A em acreditar sempre no amor...

Querida, o meu look de hoje está dedicado a sua amiga chique paraibana arretada!! Um beijo

Marcia Regis disse...

Pois é... e quando a gente é que pula fora, mas cai em luto pela frustração da relação que não perdurou? Acho até mais difícil se libertar... Culpa é uma coisa horrível...

Bjs!

... disse...

Eu prezo a consideração, as pessoas que passaram por mim, sempre deram o melhor o que sabiam, podiam e entendiam,então como ignorar ???Impossível..
Mas mas cada um é um...
Esses posts são sempre atuais...

Luca disse...

Respeito é não fazer com os outros o que vc não quer que façam com vc.

Anônimo disse...

Essa estoria de curar um amor com outro amor, e a maior fria, já vivi isso?? se chama desespero, que a pessoa não assume, o certo e viver o luto se preparar e com a consciência tranquila, no próximo relacionamento você esta mas preparado sem pensar no passado, e recomendo não se envolva com essas pessoas que você vai sofrer juntos porque elas só agem no impulso não vira saia fora??