quarta-feira, 11 de junho de 2008

A pausa do tempo

Na empresa onde eu trabalho existe um banheiro no terceiro andar que é espaçoso e tem uma grande janela aberta para a paisagem de S. Cristóvão. Dá pra ver a cúpula do Museu de Astronomia, cercada de palmeiras imperiais, o elevado da Linha vermelha e uma série de altas e frondosas mangueiras, que enfeitam os quintais do antigo casario ainda existente na vizinhança.

Quando estou de saco cheio, ou triste, ou simplesmente preciso de uma pausa no trabalho, eu vou pra lá. Nem sempre estou com vontade de fazer xixi, mas pego um copo d´água, entro numa das cabines – a tal que tem a janela – e fico lá respirando o ar da rua e admirando a vista. Também já chorei nesse banheiro, em algumas ocasiões. É o meu refúgio.

Frequentemente, quando vou lá no meio da tarde, encontro a Caroline, que trabalha numa das editorias, lavando as mãos. Falamos um rápido "oi" e continuamos na nossa pausa. Já observei: ela molha as mãos, pega uma porção de sabão e as ensaboa durante longos minutos, vagarosamente. Não interrompo, é a sua pausa do tempo no meio da loucura do trabalho.

Quando estava na faculdade, no penúltimo ano, queria viajar para a Bahia mas não tinha dinheiro. Arranjei emprego numa loja no Shopping Rio Sul na temporada pré-Natal. Era uma pancada: 6 horas de pé (não era permitido se sentar), 15 minutos de 'break' e uma semana antes do dia 24 a jornada foi estendida até as 23h.

Lembro que quando a loja fechava as portas todo mundo saía correndo para trocar de roupa – inclusive eu – a fim de ir embora daquela prisão. Mas uma das moças, Roberta, fica sentada toda arrumada, com o olhar perdido, comendo pipocas. O pipoqueiro do andar nos doava toda sua pipoca restante do dia reunida em dois grandes sacos: um com sal e outro doce. Eu achava graça da Roberta, que não tinha pressa de fugir daquele buraco, mas hoje entendo: era a sua pausa do tempo.

Observo ao meu redor formas variadas de pausa do tempo. Minha filha, nas manhãs dos fins de semana, não contem com ela. Às vezes, não quer nem falar. Uma grande amiga, depois que todos vão deitar, fuma um baseadinho. É o relax antes de dormir. Outro amigo escala a Cachoeira dos Primatas, no Horto, quase todo dia. Chega lá em cima, toma um banho, respira o ar puro e desce.
E vocês, como fazem sua pausa no tempo? O intervalo de "regeneração" de que tanto necessitamos? Ajuda a manter a saúde...

7 comentários:

Pablo Lima disse...

é, a minha pausa do tempo inclui, entre outras coisas, a percussão e a visit constante a este espaço!

Claudia Goulart disse...

Eu fumo dois cigarros a noite. Não fumo durante todo o dia e nem sinto falta mas quando chega a noite vou para a varanda, sento na rede e fumo meu cigarro olhando para o Cristo Redentor, pra Lua ou simplesmente pro céu.
Fico alí pensando na vida ..., é minha pausa do tempo!

Anônimo disse...

Querida Borboleta azul,
A minha pausa no tempo dá uma variada, pode ser no ônibus a caminho do trabalho, quando posso deitar na minha cama só com minha cachorrinha ou quando faço algo e depois percebo: "puxa esta foi uma ótima pausa para respirar e continuar em frente..."
Beijos,
Ana

Rosane Queiroz disse...

Oi valeria

eu gosto de abrir uma cerveja geladinha e tomar na sacada do meu ape, depois qeu coloco a filhota pra dormir
mas hoje nao tive pausa nenhuma, amanha respondo teu e-mail, viu?
beijos,

Marcia Regis disse...

É quando faço meu ritual de café da manhã, coloco o bule vermelho no fogão para ferver água, me espreguiço, depois vejo um pouco de internet, depois me arrumo e chego atrasada todo dia no trabalho. bj!

Ana Carolina disse...

A pausa do meu tempo antigamente era fumar um cigarro. Nas agências doidas que já trabalhei, era o meu refúgio: ninguém tinha coragem de interromper um fumante. Eu ficava pensando na vida enquanto tragava o cigarro...que duraaaaaava....
Agora não faço mais isso, a pausa do meu tempo é quase igual a da Márcia: tomo meu café da manhã vagarosamente...e tem q ter uma big xícara de café pra eu acordar...hehe!
Adorei o tema do post!
Beijoca!

Ana Carolina disse...

Ah, e como a MArcia, tb chego todo dia atrasada no trabalho...hehehe!