domingo, 25 de outubro de 2009

A corrente

Semana passada fui convidada a almoçar por uma pessoa que queria me ouvir falar sobre como está a minha vida depois que deixei a segurança do emprego para tentar encontrar o meu lugar no mundo. Foi uma oportunidade muito proveitosa. Porque à medida que narrava minha história, ia percebendo o encadeamento das situações. Lá pelas tantas, me peguei dizendo:

- Você assistiu Procurando Nemo? Lembra da parte em que o pai entra em uma corrente submarina junto com um bando de tartarugas? Ele ainda estava longe de encontrar o filho, mas a corrente o leva até bem perto do seu objetivo.

"Quando encontramos o nosso lugar no mundo, funciona de um jeito parecido: as coisas vão se encadeando, levando a gente ao encontro dos nossos objetivos. Presentes e surpresas que não esperávamos acontecem. Aí a gente sabe que está no caminho certo."

Meu interlocutor me agradeceu muito e disse que eu o inspirei. Ele também resolveu dar um tempo e apostar no que ama fazer: escrever. Dou a maior força!

Eu mesma devo me lembrar das minhas palavras, pois às vezes alguma coisa dá errado - isso acontece, faz parte - e o ânimo esmorece. Mas aí, bastará contar a mim mesma a minha própria história para lembrar.

Assim vamos.


7 comentários:

Heloísa disse...

Oi, Valéria,
Por isso é muito importante que você tenha feito esse registro por escrito. Se baquear, poderá vir até seu blog e recordar o que escreveu (para poder contar sua história para você mesma).
Beijo.

Babi Mello disse...

Oi! Valéria, acredito que todos buscamos a nossa felicidade e para isso é necessário fazer escolhas, perder umas para assim conquistar outras.
O importante é que possamos fazer tdo com muito amor.
bj!

Adrianne Ogêda disse...

As vezes em nome de uma pretensa segurança ficamos tempo demais envolvidos com atividades que não nos alimentam. Parabéns pela coragem de abrir mão disso em nome de buscar outros espaços.

figbatera disse...

É. Uma pessoa apenas "acomodada" não é uma pessoa feliz; ficar em situações "convenientes" muitas vezes é um impecilho para encontrar a verdadeira vida!

Carolina disse...

Oi Val,
caiu como uma luva este teu post.
Como diz a Dori no filme: - " Continue a nadar!"

bjão

Adriana Calábria disse...

Faço minhas as palavras da Carol.

Tava precisando ler isso...

Bjsss

Monica Loureiro disse...

As vezes a gente tem que ler de novo coisas assim.
Adorei !