quinta-feira, 27 de maio de 2010

Os olhos do outro

Ver o mundo através dos olhos do outro. Quase sempre nos esquecemos. Por que?

Certa vez, participei de um "grupo de jovens" na igreja próxima de onde morava, no Jardim Botânico. Achei chatérrimo! (Me inscrevi só para ficar mais perto de um garoto que costumava encontrar na missa aos domingos. Deu tudo errado: ele ficou em um grupo diferente do meu e nem olhou pra mim!)

No grupo de jovens, um dos temas era: "Quando um amigo seu está indo por um caminho que julga errado, você o abandona ou fica ao lado dele, para protegê-lo?"

Era uma questão ética e a maioria votou que era preciso "ficar ao lado e proteger". Na época, eu discordei. Mas hoje essa lembrança retorna e, com a maturidade que adquiri, reconheço que sim, a verdadeira amizade envolve apoiar o amigo até os limites do possível. Até que isso não fira a nossa própria integridade.

Como se consegue isso? Procurando enxergar o mundo através dos olhos do outro. Reconhecer que cada um tem um caminho a percorrer e que isso faz parte do seu aprendizado. Quem somos nós para julgar? Cada pessoa tem que tirar suas próprias conclusões.

Creio que a delicadeza e o respeito de tentar enxergar o mundo pelos olhos do outro é uma das maiores provas de amizade.

12 comentários:

Adrianne Ogêda disse...

E dos maiores desafios. Desvestir nossos referenciais e certezas e aproximarmo-nos do outro, de verdade. É difícil, né amiga? Citei um de seus posts no meu blog hoje, com sua licença (rs), pode? bjo

Gerana Damulakis disse...

E é a coisa menos fácil que há. Basta reparar no dia a dia Gostei, achei bonito e a outra pessoa Gostou? É horrível, vc não tem gosto mesmo.
Diálogo bobo, mas daí para coisas importantes, a atitude é a mesma.

Neide disse...

Val querida,
Confesso a você que é um exercício muito, muito difícil: colocar-se na pele do outro, ver com os olhos do outro...Digo isto porque tenho buscado exercitar isto toda vez que deparo-me com situações conflituosas, que necessitam tomar uma atitude, escolher um lado. Não é fácil, até porque temos que nos despir de qualquer resquícios de egoísmo, colocarmos no lugar do outro é também uma entrega. Seria muito fácil julgarmos, dar nossa opinião, sem no entanto, sequer tentar compreender as razões do outro. Só aí você terá como entender e ajudar, seja por amor, amizade, respeito, solidariedade, não importando o sentimento que nutrimos pelo outro.
Vivemos num mundo onde o correto seria importamos uns com os outros, onde cada um fosse um elo a fortalecer cada vez mais nestas vivências,formando uma grande corrente. No entanto, vivemos o inverso(ou pelo menos a grande maioria)como se cada um fosse autosuficiente e não dependesse de ninguém pra nada. Pobre criaturas!!!

Bjussssssssss

Neide disse...

Val querida,
Confesso a você que é um exercício muito, muito difícil: colocar-se na pele do outro, ver com os olhos do outro...Digo isto porque tenho buscado exercitar isto toda vez que deparo-me com situações conflituosas, que necessitam tomar uma atitude, escolher um lado. Não é fácil, até porque temos que nos despir de qualquer resquícios de egoísmo, colocarmos no lugar do outro é também uma entrega. Seria muito fácil julgarmos, dar nossa opinião, sem no entanto, sequer tentar compreender as razões do outro. Só aí você terá como entender e ajudar, seja por amor, amizade, respeito, solidariedade, não importando o sentimento que nutrimos pelo outro.
Vivemos num mundo onde o correto seria importamos uns com os outros, onde cada um fosse um elo a fortalecer cada vez mais nestas vivências,formando uma grande corrente. No entanto, vivemos o inverso(ou pelo menos a grande maioria)como se cada um fosse autosuficiente e não dependesse de ninguém pra nada. Pobre criaturas!!!

Bjussssssssss

Babi Mello disse...

Valéria que texto reflexivo. Venho aprendendo todos os dias que não devemos julgar e sim tentar ajudar o outro, mesmo que este esteja indo para o caminho errado, tentar ajudá-lo a sair dessa.
bj e boa semana e vê se aparece lá no Percepções

Mônica disse...

Tentar enxergar o mundo pelos olhos do outro é além disso tudo que falou uma arte.
Nem sempre percebemos o olhar do outro.
com carinho Monica

Pablo Lima disse...

pura verdade, caríssima val.
lembrei-me do filme "janela da alma", tão belo quanto a sua postagem.

tenho pouco a acrescentar sobre a questão; por muitas vezes mal consigo ver o mundo a partir do meu próprio olhar, que dirá do alheio (:

abraços.

On The Rocks disse...

massa!

bj

Carlos Eduardo Leal disse...

Valéria,
Acho que a sequência do seu post é o filme "O segredo dos teus olhos". Um filme sobre a paixão e, com certeza, como olhar a vida através dos olhos dos outros sem esfumaçá-los: o do outro e o seu próprio. Como olhar através do outro sem perder a luz dos teus próprios olhos.
abçs,
Carlos Eduardo
veredaspulsionais.blogspot.com

flavio_waltz disse...

Bacana, Valeria.

Sem amigos, o que seria da gente?

Ha quanto tempo...

Espero que esteja tudo bem.

Beijos
Flavio Waltz

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

creio que hoje se tem por aí poucas referências, o que é uma pena, até grupos jovens tem acabado

Fernandes disse...

É primordial ouvir e enxergar a pessoa de verdade pra valer.Isso é privilegiar dignidade."Apesar de nem sempre conseguir"...

E ao contrário do que falam é difícil julgar, quando justo é referência. Você assiste uma enxurrada de coisas erradas de pertinho e sem nada quase poder fazer.(status quo)
Como diz Djavan "É morrer de sede enfrente ao mar"...
(Isso é outro papo).
O importante é humilde.