quinta-feira, 27 de novembro de 2008

The streets of Rio de Janeiro

Passei os dois anos e meio mais recentes indo do Leblon a São Cristóvão às 9h da manhã e voltando à Zona Sul às 20h, às vezes, às 22h. Mesmo trajeto todos os dias, mesmos horários, de segunda e sexta, sem parar...

Há um mês, estou trabalhando em home office (como se diz de forma chique, hoje em dia, trabalhar em casa). Duas a três vezes por semana, tenho que me afastar do escritório para reuniões, compromissos, eventos etc. Saio pelas ruas do Rio de Janeiro e me admira a alegria, as cores, a variedade de gente e de acontecimentos pulsando o tempo todo. Quer dizer, a vida continua lá fora, sempre continuou, só que eu não via.

Não sei quanto tempo vou ficar em home office; por enquanto, estou gostando muito! E como são especiais essas minhas excursões pela cidade. Nada demais, só ver bairros, paisagens e pessoas que fiquei 2 anos e meio sem ver. Elas existem! Estavam aí o tempo todo!

Lembro de Philadelphia, antigo filme em que Tom Hanks morre de aids. A abertura é a câmera passeando pelas ruas da cidade e as pessoas - vendedores, porteiros, crianças - acenam de longe. Enquanto isso, Bruce Springsteen canta The streets of Philadelphia... Sutilmente, vem a mensagem: a vida continua. A gente morre, mas tudo continua. Que bom!


7 comentários:

Pâmela disse...

Sim, tudo continua, isso é ótimo, não?
Muitas coisas boas, muita energia boa pra você nessas suas excursões por lugares que sempre existiram mas que você não via.
Somos muito assim, não? Nos fechamos no nosso mundinho e esquecemos do mundo maravilhoso que temos lá fora.
Beijos!

Pablo Lima disse...

isso, continua mesmo!
e vê se me arruma uma vaga nesse novo office aí!!! hehe!

Fabio Fernandes disse...

Já vivi isso. E digo pra você, é uma merda. Quando a gente se toca que passa mais de 10 horas trabalhando numa mesma sala por 5 dias por semana, dá uma sensação de viagem extra-corpórea quando a gente se depara com a vida nas ruas.. tipo: Ã?! Isso tava acontecendo enquanto eu tava lá trabalhando? E eu perdi?

Putz..

Sorte a sua ser uma "HomeOffice worker"

Bjokas.

Valéria Martins disse...

Queridos amigos, espero que o meu home office cresça e apareça. Rezo para que isso aconteça, com a consciência de que só Deus sabe o que é melhor pra mim. Beijos, obrigada.

Ita Andrade disse...

Oi valéria,
A esposiçaõ é na Casa da Cultura de Paraty, fica até 12/01/09
Será um prazer acompanha-la na mostra e diga-se de passagem está de peso mesmo.
Abração

Anônimo disse...

Oi Valéria, muito lindo o seu blog.

Estou nesta de home ofice há muitos anos e é muito bom. Adoro! Só que geralmente fico aqui em casa trabalhando que nem uma louca e pouco tempo tenho de ver a cidade.:) Mas só saber que posso sair a hora em que quiser já é muito bom!

Como eu não estou conseguindo enviar o comentário dizendo quem sou eu, vou optar por anônimo.

Bjs

Eliana Leal
eliana@caravansarai.com.br

Ana Carolina disse...

Estou feliz por nós, amiga. Hoje em dia sou mil vezes mais feliz: trabalho muito, mas tenho a opção de ainda ver a vida lá fora. Que bom!

beijos