domingo, 16 de novembro de 2008

Impressionante e assustador

Nossas rotinas tão frágeis. A suposta segurança em que vivemos. Tudo pode mudar de uma hora para outra, mas seguimos inconscientes disso, talvez porque essa consciência seja insuportável.

Não estou falando de tragédia factual ou de doença que se revela de uma hora para outra, mas de um blockbuster que peguei no fim de semana, a título de curiosidade, e que muito me impressionou: Cloverfield. É um filme de monstro. Mas ainda há como fazer filme de monstro assustador nos dias de hoje? Há, vejamos porque.

O filme estreou nos cinemas há cerca de ano e meio e logo em seguida li artigo de Jorge Coli na Folha de S. Paulo, fazendo uma analogia entre a trama e a queda das torres gêmeas. Interessante! Semana passada, Tom Leão mencionou o título no RioShow do Globo como sendo o melhor exemplar de "falso cinema verdade" - estilo inaugurado pela Bruxa de Blair - até hoje. Resolvi pegar em DVD, até porque adoro os filmes em que os norte-americanos destroem a si mesmos, como Independence Day e O dia depois de amanhã, ambos de Roland Emmerich - o cineasta favorito de Bin Laden, rárárá!

Comecei a assistir procurando aqui e ali os motivos da associação com a queda das torres. O fato é que em nenhum momento é explicado ao espectador o que exatamente está acontecendo, que tipo de criatura assombra a cidade, de onde veio, por que. Ficamos perdidos, desamparados e aterrorizados, tal qual os protagonistas e, provavelmente, tal qual os moradores de NY na ocasião da tragédia.

A câmera nervosa não chega a enjoar e o recurso é usado de forma a enfatizar que pouco antes tudo estava bem, a vida seguia seu curso normal. O final é impactante e faz refletir: hoje vc teve um bom dia? Reze a Deus e agradeça, pois daqui a um minuto tudo pode ser diferente.








3 comentários:

Pâmela disse...

Nunca vi o filme mas já ouvi falar.
Fiquei curiosa agora...
Também acho que essa reflexão é muito verdadeira. Hoje pode estar tudo bem e amanhã pode parecer o fim do mundo. Por qualquer motivo.
Precisamos valorizar mais nossas vidas...
Beijo!
Boa semana!

vida cotidiana disse...

Fiquei com vontade de ver, sempre vejo na locadora, mas não pego, gostei da dica.
Adorei o seu blog.

Fabio Fernandes disse...

Vou procurar pra ver também.. Compartilho da sua idéia de ver os americanos se destruírem, afinal de contas muitas vezes somos forçados a ver inúmeras bandeiras do Tio Sam tremulando nos filmes que vêm de lá..

Bjokas.