domingo, 5 de outubro de 2008

Biblioterapia

Deu no Publish News http://www.publishnews.com.br/index/default.asp :

Talvez você fique duas horas no trânsito para ir a um trabalho que odeia. Talvez você tenha filhos pequenos e só sobrem cinco minutos de vez em quando para ler. Talvez você esteja para embarcar em uma viagem de três semanas para a Amazônia e busque um livro que fale de tudo sobre o destino. Tudo o que o aflige e tudo o que o encanta. Nós vamos encontrar a receita de leitura certa para você. É assim que a School of Life (literalmente, Escola da Vida) define a "biblioterapia", projeto lançado no início deste mês em Londres. A idéia é a seguinte: o cliente preenche uma ficha com informações sobre sua história, suas aspirações e seus hábitos e, a partir de uma consulta com um especialista, recebe indicações de leitura que o ajudem a enfrentar uma nova fase, encarar uma etapa importante ou simplesmente aproveitar um momento da vida. Uma sessão custa 35 (R$ 120), mas pode-se escolher um contrato de cinco meses, em que o biblioanalista acompanha suas leituras e troca informações por e-mail, por 50 (R$ 170).

Adorei essa história. Acho que eu gostaria de me consultar com um biblioanalista, pra ver o que ele tem a dizer. Mais ainda, acho que daria uma boa profissional nessa área. Já pensou?

Isso me faz lembrar crônica do jornalista português João Pereira Coutinho, colunista da Folha de S. Paulo, cujo delicioso livro Avenida Paulista sairá pela Record em 2009. No texto Como Jane Austen pode mudar sua vida (e olha que eu nem gosto da Jane Austen), ele garente que Orgulho e preconceito é capaz de curar todos os males do amor. Porque os personagens Elizabeth e Darcy se odeiam à primeira vista e só com o tempo começam a aceitar o amor que sentem um pelo outro. Diz João Coutinho:

O amor assusta mais do que todos os fantasmas que habitam o coração humano (...) O amor não sobrevive aos ritmos da nossa modernidade. O amor exige tempo e conhecimento. Exige, no fundo, o tempo e o conhecimento que a vida moderna de hoje não permite mais (...) A nossa frustração em encontrar o "amor verdadeiro" é apenas um clichê que esconde o essencial: o amor não é um produto que se compra para combinar com os móveis da sala. É uma arte que se cultiva. Profundamente. Demoradamente.

Salve, João! Se pudesse, eu o escolheria para meu biblioanalista.

E vocês, o que pensam dessa nova terapia? Que livro indicariam para curar qual mal? Vão dizendo que eu vou anotando...

12 comentários:

Ita Andrade disse...

Eu indico os livros da Editora Bahá'í que alem de sabedoria tem PODER.
Adorei a ideia! por que vc não abre essa consultoria? Sério!

Pablo Lima disse...

"o amor nos tempos do cólera", gabriel garcia marquez.

Pâmela disse...

Adorei a idéia! Também gostaria de me consultar com um...
Não é um livro, mas o filme 'Becoming Jane', sobre o amor de Jane Austen na juventude é lindo. Não sei se você já viu, mas mostra como ela era uma mulher corajosa e independente para a época.
Eu adorei.
Agora, um livro para curar a falta de força de vontade, a falta de leitura na vida, 'A Sombra do Vento', Carlos Ruiz Zafon.
Muito vivo e inteligente. Dá vontade de devorar uma biblioteca quando terminamos de ler.
Ótima semana!
Beijos!

Pâmela disse...

Esqueci de dizer!
Deixei um presente pra você no meu blog.
Beijos de novo! ^^

lili-gata disse...

é o máximo. miaaauuu...

Fernanda Pereira disse...

"Feliz Ano Velho", pra curar a indiferençadas pessoas!=D

Patrícia disse...

Adorei essa ídéia. Uma ex professora minha muitissimo querida me indicou esse livro que eu li em uma sentada e adorei. Se chama CARTA A D. - HISTORIA DE UM AMOR do autor Andre Gorz.
Ainda não sei para que ele é bom pq o livro acaba pegando as pessoas de uma forma diferente, mas digo que vale a pena.

Vou anotar as dicas! Muito boas!

Um beijo e boa semana.
Pat.D.

Denise do Egito disse...

Minha querida, não dá pra pensar em um agora. Mas achei tão sábias as palavras do João... Outro dia, conversando com meu filho sobre "pegar" as meninas, ele me disse que na escola, as próprias meninas dizem que "peguei" fulano com o maior orgulho... Sei não, mas...como será no futuro, se hoje já não damos espaço ao amor? Vou falar disso no Papo Calcinha.
Bjs

Anônimo disse...

Valeria,
faça um album de fotos na internet com as fotos da nopite de autografos do Reinaldo Azevedo !!!!!
Claudio Marcondes
cmarcondesm@gmail.com

Carolina disse...

Minha amiga, adorei a idéia! E como boa rata de livraria teria vários para indicar, porque livro em si, é aumentar o seu horizonte de compreensão, rever conceitos e quebrar paradigmas. Ainda fico surpresa quando alguém, me diz que não tem o hábito de ler,taí coisa que não consigo entender apesar de ser muito democrática com os outros.
A minha dica, entre outros que estou curtindo ler, é o seguinte:
Contra o Amor da Laura Kipnis. Apesar do título ele é revigorante e traz porções ácidas e engraçadas daquilo que mais procuramos na vida. O amor duradouro.
bjos meus

Monica Loureiro disse...

Olha, eu acho este assunto o máximo....Quando fiz o Curso de Contação de Histórias ,pensava em montar um grupo "terapêutico-literário"....para trabalhar o inconsciente através das histórias....Pensava, e ainda penso....

Quanto aos livros, um que mudou a minha vida foi MULHERES QUE AMAM DEMAIS....Recomendo a todas, todas as mulheres mesmo....

Ah, HOMENS SÃO DE MARTE E MULHERES SÃO DE VÊNUS , e também CONVERSAS DIFÍCEIS....e o da terapeuta Maria de Mello A CORAGEM DE CRESCER.....

E tem muito mais !

Eva disse...

A prática biblioterapêutica já faz parte do cotidiano do HU/UFSC e os resultados são fantásticos.
Postei algumas informações sobre o tema no meu meu blog.
http://biblioterapia-biblioterapia.blogspot.com/


Abraços