domingo, 6 de julho de 2008

Frases e diálogos (continuação da postagem anterior)

Frases da Flip 2008

"Rapaz!... Naquele tempo era mais fácil arranjar mulher, bastava comprar um pouco de milho."
Xico Sá comentando o fato de Jaime Ovalle ter se apaixonado por uma pomba que pousava na sua janela todos os dias.

"Para que serve a ficção? Para fazer feliz quem escreve!"
Alessandro Baricco, em resposta ao mediador "inteligente".

"Então, Tom e eu... (pausa). Nunca pensei que um dia diria essa frase: Tom e eu."
Luis Fernando Veríssimo apresentando Tom Stoppard e expressando sua admiração por ele.

Diálogos improváveis (mas verídicos) da Flip 2008

"Conta aquela da bunda!..."
"Que bunda? Você está me confundindo com o Drummond. Ele é que escreveu poema sobre a bunda em O amor natural."
"Não!... A bunda cheirosa!..."
"Bunda cheirosa? Querido, você sonhou!..."
A poeta Elisa Lucinda, em recital no Che Bar, respondendo a pedido de um jornalista ébrio diante de uma platéia lotada e perplexa.

"Sou contra o narrador onisciente em terceira pessoa, contra a igreja, contra o Islã, contra as pessoas que comem carne, contra Einstein e Newton, que ficavam fazendo contas e ditando regras ao mundo, contra Darwin, pois acho que a teoria evolucionista que ele inventou não faz sentido".
"Mas o senhor é contra quase tudo. Existe algo que seja a favor?"
"Sim, sou a favor da felicidade e de viver intensamente o momento presente. Por exemplo, aqui e agora, estou imensamente feliz de estar falando para vocês."
Fernando Vallejo, recebendo aplausos da platéia.

3 comentários:

Claudia Goulart disse...

Adoro os textos do Veríssimo! Já li todos os livros e queria muito conhecê-lo, ou não. Prefiro ficar com imagem que faço do escritor.
bj

Ana Carolina disse...

Essa da bunda...que saia justa!!!!!!!!!!!!!!!

beijocas!

Denise do Egito disse...

Adorei esse Frases e diálogo! Saudade do Che Bar.
Beijocas, queridona