segunda-feira, 27 de abril de 2009

Informação ou conhecimento?

Como boa aquariana, estou totalmente sintonizada com o Novo Clube de Paris, do qual fazem parte o ministro da Indústria do Japão e o presidente do BNDES, entre outros. Esse povo se reúne periodicamente para discutir a transição de uma sociedade da informação para uma sociedade do conhecimento.

Quem leu a excelente reportagem publicada neste domingo na Revista O Globo, sobre o Tempo, sabe do que estou falando. O resumo da ópera é o seguinte: cada vez mais entupidos de conteúdo útil e inútil oriundo de emails, TV, IPod, IPhone, Twitter, MySpace, Facebook e outras redes que ainda vão surgir, nos tornamos incapazes de pensar de forma criativa ou de produzir conhecimento. É necessário recuperar a noção do tempo vazio, o espaço do nada, e usá-lo para reflexão.

Enquanto lia a matéria, lembrei que o escritor israelense Amos Oz não usa a internet. Nem para consultas no Google? Não, prefere consultar livros porque diz que a internet lhe roubaria tempo de ler e escrever.

A jovem escritora carioca Tatiana Salem Levy me contou ano passado que poucas vezes foi à Lapa, quase não sai à noite. Por que? Para acordar cedo e ter energia para trabalhar. Não por acaso ganhou o Prêmio São Paulo de Literatura, categoria Autor Estreante, pelo romance A chave de casa em 2008.

Eu mesma, brinco que estou sintonizada com os manda-chuvas porque, desde que deixei o emprego para empreender meus próprios negócios, ganhei exatamente esse tempo para reflexão. Saí da correria e me sinto encorajada a transformar em realidade as várias inspirações que me chegam a todo momento. (Baseadas, é verdade, em muito conteúdo que absorvo de algumas das fontes mencionadas. Mas pelo menos estou conseguindo refletir sobre elas, usá-las a meu favor, não de uma forma passiva!)

Salário faz falta, não sei quanto tempo vou agüentar, ou se dará certo, mas por enquanto me dou a chance de fazer parte dessa tal sociedade do conhecimento.

E vocês, de qual lado estão? Informação ou conhecimento?



11 comentários:

Pâmela disse...

Vixi, o tanto de coisa inútil que leio na internet todo dia?
Definitivamente na Sociedade da Informação...

Rafael Velasquez disse...

na azia da informação. minha geração, acredito, pegou o mundo sem internet e com internet. ainda estamos "entusiasmando" com o tamanho fluxo de informação. um dos problemas são informações enviesadas. mais não acho que devemos culpar só e somente só a internet, como deve-se, ao meu ver, colocar a televisão e outras mídias nesta seara de confusão de informação.

fico com tom zé:
"tô te explicando pra te confundir; tô te confundindo para te esclarecer"

Pablo Lima disse...

o woody allen dá uma pincelada sobre o tema em "o globo" de hoje! [

bjocas!

Mônica disse...

Eu estou na fase da informação via livros. Aqueles que nãO TIVE LER ENQUANTO LECIONAVA.Por enquanto está sendo muito bom.
E tenho minhas amiguinhas.A minha manhã é só para elas.
E as vezes não dá tempo.
Com amizade Monica

Halime disse...

Muito boa reflexão. Livros e literatura me trouxeram o poder de abstrair desse mundo virtual que nos afoga de todo tipo de informação e refletir. Me sinto mais rica. Decidi simplesmente ignorar a existência de tantas redes virtuais de "relacionamento". Pra quê? Não quero tanta gente sabendo sobre mim e vice-versa. Bjs!!

Babi Mello disse...

Interessante, de verdade acho que um pouco das duas afinal ambas podem agregar.
Bj!

Dione disse...

Nossa, agora você me pegou... Como direi? Sabe aquela criatura que preza o conhecimento e daria tudo para jogar a toalha? Mas que ao mesmo tempo não passa sem o computador? Pois é... Essa criatura sou eu...

Beijão...

RENATA RICARTE disse...

Estou na informação, mas sentindo muita falta da faze do conhecimento. Vou explicar, estou trabalhando mto e não estou administrando meu tempo de uma forma legal. Ai acabo passando pela internet a procura de conhecimento mas não encontro nada interessante. A não ser o seu blog.
Por isto que a alguns dia, no pouco tempo que tenho dou uma passada pelo seu blog, leio algum artigo.
Você está de PARABENS.
ADORO LER SEUS ARTIGOS.
BJS

Ylana disse...

Difícil... me senti mais próxima do tiozinho que nao olha na net. Eu comecei a escrever uma historinha (suposto livro), mas quem disse que consigo?É tanta idéia, tanta coisa legal que...simplesmente "nao dou conta", como eu diria na minha terra (oh, momento exílio!).
Outra coisa deprimente é ver o tanto de livros online q eu nunca lerei... por preguiça, falta de organizacao...ou por falta de tempo de vida...
E no fim, o q vai sobrar? Uma moribunda supostamente bem informada e relativamente criativa?
(ai, mode filósofa off)...

Márlen Danúsia disse...

Me sinto extamente como vc, no que diz respeito ao tempo mais livre desde que deixei um dos meus trabalhos.Na verdade, não tinha idéia de tanta coisa que esperava por mim, ou melhor, por uma simples palavra minha, um olhar, um oi...Até vc, minha querida amiga...Descobri também que não tenho perdido nada de muito significativo sem a badalação noturna, o corre corre do trabalho.E quanta, ma quanta besteira chega aos nossos ouvidos sem fazermos o mínimo esforço pra isso...O desafio é me reconhecer, no meio dessa confusão, e, a partir daí, fazer as minhas escolhas.

Vanderhugo disse...

Pois é, Val...

preciso de um endereço (pode ser comercial, qualquer um), para te enviar o meu livro...

bjs