sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Alguém aí tem filho adolescente?

Putz!... A adolescência chegou aqui em casa com força total: arrombando portas, quebrando tudo, abrindo passagem.

Não que isto esteja acontecendo ao pé da letra, mas é como se fosse.

De repente, aquela doçurinha que saiu de dentro da sua barriga não quer saber mais de você. Pelo contrário, se você diz 'azul', ela diz 'roxo'. Se você diz 'alto', ela diz 'baixo'. Se para você é 'bom', para ela é 'ruim'.

Temos que nos transformar em monges para suportar o atrito!

Mas como foi na nossa época?

Fui uma adolescente tardia, a rebeldia irrompeu por volta dos 20 anos. Não sei se foi melhor ou pior, o fato é que a crise da entrada na vida adulta se estendeu... Só fui procurar estágio no último semestre da faculdade, a contragosto, com vergonha dos outros colegas que já estavam trabalhando. Até então, eu escapulia em qualquer oportunidade, viajando de ônibus ou de carona por todo lugar do Brasil. Meu pai já tinha morrido e a pobre da minha mãe ficava em casa se preocupando e segurando a barra sozinha. E olha que sou filha única. Coitada!

Na hora de encarar a vida real, doeu!... Mas cá estamos nós.

Lembrando disso, extraio de mim uma dose extra de paciência... Haja!


3 comentários:

Monica Loureiro disse...

Valéria,eu to passando por isso.Meu filho não quer saber de mim mais....
Fiquei meio malzinha,sabe....Agora estou acostumando...

E quando ele arrumou uma namorada firme? Tive que "elaborar" o abandono e a "troca" por outra.

Fernandes disse...

Eu ,rs

Monica, não fique assim (um abraço de um pai) que não sabe mais nada possivelmente fora de validade.
Eu e meu pequeno falamos português e sabemos o tamanho e a força do nosso amor ...mas,há momentos que a comunicação fica truncada,putz!
Pior parte é quando tenta convencer que é adulto...sabe tudo e no caso ...eu, sou uma besta quadrada ,rs que não dou liberdade...que não percebo que não existe nenhuma criancinha...e por aí vai
Sigo firme tento ser flexível procuro crescer junto e principalmente aprender "abrir os braços " difícil quando amamos incondicionalmente ...
Pai E mãe é muito além de ser amigos...

George Sand disse...

A técnica é contar até mil antes de explodir :)