terça-feira, 16 de junho de 2009

A sinceridade do Herbert

(...) “Além disso, tem a questão da condição física, porque eu não tenho sensibilidade, ereção.”
Em uma época em que o sexo é hipervalorizado e está exposto na mídia e em todos os lugares, me tocou a sinceridade do líder do Paralamas do Sucesso, Herbert Viana, em entrevista a Mônica Bergamo publicada domingo na Folha de S. Paulo.

Ao ser indagado a respeito dos namoros que teve após a morte da esposa Lucy, além de tocar no assunto que é tabu para muitos paraplégicos, completou: “para ser 100% honesto, sexo não me faz falta. (...) A energia foi canalizada para a música. Tenho instrumentos em todos os lugares da casa, no jardim, em todos os cantos onde passo algum tempo. (...) Fico tocando e viajando.”

Eu acredito, sim, que é possível canalizar a energia sexual para uma atividade criativa e tirar disso muito prazer e realização. Também acredito que é possível uma mulher ser feliz sexualmente com um homem deficiente, tudo depende da ocasião e da qualidade do relacionamento entre eles.

Isso me faz lembrar o filme Amargo regresso, com Jane Fonda e Jon Voight (pai da Angelina Jolie!), que rendeu a eles o Oscar e o Globo de Ouro de Melhor Atriz e Ator. A protagonista é bem casada – mas não tem orgasmos – com um oficial que parte para a Guerra do Vietnã. Ela vai trabalhar como voluntária em um hospital de veteranos e se apaixona por um soldado paraplégico. Eis que em uma cena ousada para a época, Jon Voight faz sexo oral na Jane e ela goza pela primeira vez. Claro que o marido, quando retorna, vai para escanteio. Daí o título.

Tudo isso para lembrar que não existem regras, por mais que os outros – a sociedade e, principalmente, a mídia – queiram nos sugerir através de imagens e conteúdos bombardeando-nos por todos os lados. O importante é encontrar meios de ser feliz. E ser!

10 comentários:

Heloísa disse...

Valéria,
Muito bom!
Nota 10 para você.
Beijos.

Babi Mello disse...

Ai Valéria complicado mesmo, e é triste ver que a mídia na maioria das vezes é cruel.
O importante é ser feliz e por muitas vezes encontramos-a onde menos esperamos.
Bj!

Dione disse...

Você foi perfeita! É isso mesmo... Somos tão bombardeados que não percebemos que não precisamos de determinadas imposições da sociedade e/ou mídia para vivermos... Eles fazem com que sintamos a necessidade ter aquilo, de ser aquilo... Mas não temos, não! Não somos, não!

Acorda, gente! Já passou da hora, hein...

Um grande beijo!

Pablo Lima disse...

a mídia padroniza praticamente tudo, e com o sexo não seria diferente!
é otimo partir do querido herbert a tentativa de nos mostrar outras realidades!
bjocas!

Mônica disse...

Procurar um meio de ser feliz. E isto que move muitas´pessoas deficientes ou não.
Com carinho Monica

Paloma Flores disse...

No final das contas, todo esse bombardeio de imagens acaba piorando a vida sexual de muita gente, eua cho. Isso porque as pessoas idealizam um sexo perfeito, sem erros e com orgasmos múltiplos no final quando vêem tv. Sem falar no tabu do corpo perfeito e tudo mais.
Não sei, mas acho que a superexposição que a mídia em geral faz dos corpos e da intimidade das pessoas prejudica (e muito) nossas vidas...
Especialmente com mitos de perfeição que, como todos os mitos e lendas que se prezem, não existem.

Fabio Fernandes disse...

Encontrar os meios, ou apenas utilizar os disponíveis??? Tanto faz, o objetivo é o mesmo... ;)

Bjokas

biatrixx disse...

Ser feliz, eis a questão. Adorei esse post. Tem um outro filme que fala disso, um filme do Almodovar que um policial fica paraplégico, sabe qual é? Essa semana fiquei pensando muito nessa questão da mídia nas nossas vidas. Impondo pensamentos e atitudes, que nem queremos ter mas somos impulsionados a isso.
Boa discussão.
bjs

Lisa Nunes disse...

Valéria,
o que vivemos hoje, é a banalização de tudo, incluindo o amor e sexo. Mas, como disseste:
"O importante é encontrar meios de ser feliz." E cada um sabe como fazê-lo.
me despeço com essa frase:
"cada um sabe a dor e a delícia, de ser o que é.." (Caetano Veloso)
1Grande abraço pra você querida, até a volta

Carolina disse...

Concordo contigo!
bjos meus