domingo, 28 de junho de 2009

O amor 20 anos depois - A linda história de Luis Sepulveda e Carmen Yañez

Luis e Carmen conheceram-se em Santiago do Chile muito jovens. Apaixonaram-se, mas ficaram pouco tempo juntos. O suficiente para o nascimento de um filho, hoje com 37 anos.

A vida os separou, veio o Golpe Militar, ele e ela foram presos, submetidos a torturas e exilados – ela na Suécia, levando consigo o menino, e ele na Alemanha.

Em Estocolmo, Carmen foi arrumadeira – arrumava 40 camas por dia em um hotel. Depois, foi faxineira em uma escola. Enamorou-se de um chileno também exilado e ficou grávida. Mas o romance acabou e o homem partiu, deixando-a só. Perguntei à Carmen como se virou para trabalhar, cuidar de um bebê recém-nascido e ainda do filho pequeno, sozinha em um país estranho, e o rosto dela se contraiu.

- Foi tão triste, tão triste... Melhor não falar. Não vale a pena.

O tempo passa. Vinte anos depois, Luis e Carmen se reencontram no Chile, logo após a abertura. Ele se casou com uma alemã e tiveram três filhos, mas agora está separado. E... O amor floresce. Novamente.

- Nos reunirmos foi também um encontro com as nossas raízes, com o nosso país, com o que verdadeiramente somos.

Como os filhos continuavam morando na Suécia e na Alemanha, elegeram um lugar no meio do caminho, a cidade de Gijón, em Astúrias, Espanha, para viver. E duas vezes por ano a família se reúne toda para celebrar, receber e dar carinho uns aos outros.




Luis Sepulveda é o escritor latino-americano mais lido no mundo após Paulo Coelho e Gabriel García Marquez. No momento, escreve um roteiro com Walter Salles, um western!, e seu livro Diário de um killer sentimental (Ediouro) está sendo filmado em Marselha, sob o comando de Luc Besson. Carmen Yañez é poeta com seis livros publicados.

Tive a honra e o privilégio de conviver durante três intensos dias com este casal que muito me inspirou e instruiu. Obrigada.

Um agradecimento especial a Dulce Neves e Letícia Adriazola por sua contribuição inestimável para que Luis e Carmen tenham tido uma estadia alegre, com amor e conforto, em Ribeirão Preto.

E mais um obrigada à Dulce pela canjica e o arroz doce!!!

15 comentários:

Anônimo disse...

Valeria obrigada pela suas palavras generosas recheadas de dulcura e carinho,tô lendo com especial atencao tudo que tem publicado sobre a feira e o Chile,meu envolvimento emocional com tudo isso é intenso,realmente ter convivido con Luis e Carmen fue uma doses intensa de emocoes e aprendizado de como dar a volta por cima de situacoes de extrema dificuldade e violencia.
com relacao a Dulce e o Abranche sao realmente um casal insuperable e recebem com muita dedicacao e carinho,Valeu te conhecer Valeria!
Hasta la proxima amiga querida.
Leticia

Mônica disse...

Valéria.
Dá uma história de amor fantastica não?
Pede ele para escreve-la.
Com carinho Monica

Valeska Asfora disse...

Concordo.Daria um belissimo romance.E todos nós precisamos de histórias de amor e de superação de sofrimentos e dificuldades.

ana - hoje vou assim off disse...

Quem sabe baseada nessa história não vem outro livro aí?

Minha querida, adoro ler o que escreve.

Beijos!

Paloma Flores disse...

Nossa, que legal! É mesmo uma linda história de amor! Daria um filme. Ou uma novela, sei lá. Mas é mesmo bonita.
A gente nunca acredita que esse tipo de história aconteça na vida real...

ps.: é Paloma, lembra? ;)

Beijos!!!

Babi Mello disse...

Canjica e arroz doce, me lembrou dos doces que fazemos aqui também. A vida é uma caixinha de surpresas e quando ela quer nada segura. POdemos chamar de destino.
Lindo e ao mesmo tempo sofrido. Marcante!
Bj!

Andrea disse...

que legal !! reencontrar o amro depois de tanto tempo

Lisa Nunes disse...

Valéria
que linda história de amor, me tocou profundamente. Isso que chamam de destino, eu chamo de sorte, pois até o destino precisa de um pouco de sorte; e o amor deles venceu. Lindo. COm certeza essa história merece um livro. Quero te agradecer pelos comentarios lá no meu espaço, sempre tão bem vindos e queridos.
Depois passa lá que tenho um selinho pra você. 1Grande beijo e boa semana

Heloísa disse...

Valéria,
É uma história completa. Encontros, desencontros, perseguições, família, amor. Daria um romance e tanto.
Beijos.

Carolina disse...

É neste relato do dia a dia de tantas pessoas conhecidas ou não que percebemos que o amor e o destino não são magia, mas a mais pura realidade.
bjos meus

Dione disse...

Como sempre seu blog dando uma aula de cultura geral!

ADORO!!

Um grande beijo e uma ótima semana!

Lauren - Moda Trash disse...

Hum, canjica e arroz doce!
Aguardo seu e-mail, Valéria. Se vc quiser, passo as estampas pelo próprio e-mail, assim, sua filha escolhe. Sobre o tamanho, aviso q a baby look só vai até GG. A partir disso é T-shirt.
bjkassssssssssss

Mônica disse...

Valéria
Vendemos porque cada um tinha sua profissão e a fazenda não estava mais como no tempo do papai. Só os grandes fazendeiros sobrevivem.
E meus irmãos tem uma qualidade que existia no brasileiro e hoje não mais HONESTIDADE
Então cada um tomou seu rumo e meu irmão que era o unico que era especialista em fazenda passou no concurso do INCRA . E então Graças a Deus está feliz.
Minha irmã Elisa tentou por uns tempos, mmas não deu para conciliar a profissão de dentista com a roça.
E o mistério do amor conservou nossa familia, fazendo com que uns ajudem os outros nas suas necessidades. Papai faria o mesmo se estivesse conosco.
Com amor
Obrigada por compartilhar de nossas coisinhas
Monica

Adriana Calábria disse...

Eu tenho uma estória assim na minha familia. É bom saber que coisas incomuns assim, se repetem!

Me emocionei bastante.

Bjsss

Diogo Santos disse...

Depois de Paulo Coelho e Garcia Marquez ? Como assim ?