quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Exposição José Olympio na Bienal

Nesta quarta-feira fui à Bienal passear, bisbilhotar as estantes, ler as orelhas, fuxicar os saldos. Ô, coisa boa!

A melhor surpresa, no entanto, foi a Exposição José Olyimpio - O editor e sua casa, montada dentro do pavilhão verde - o mesmo das grandes editoras. É um espaço enorme, lindamente decorado com projeto museográfico do bamba das capas de livro, Victor Burton.

Um painel narra a cronologia da vida do grande editor: nascido no interior de SP, foi para a capital aos 15 anos para trabalhar como livreiro na Livraria Garraux. Aos 28, compra uma biblioteca e abre a Livraria José Olympio Editora, inicialmente na Rua da Quitanda, Centro do Rio. Em 1934, a loja muda-se para a Rua do Ouvidor, onde fica até 1955.

Uma parede da exposição é estampada com uma imensa foto da fachada da livraria na Ouvidor. Me encanta ver jovens estudantes de escolas públicas amontoando-se em frente à foto, pedindo aos colegas que tirem fotos suas como se estivessem olhando as vitrines da José Olympio hoje.

Que mais? Inúmeras primeiras edições e edições antigas de Graciliano Ramos, Jorge Amado, Rachel de Queiroz, Drummond, Manuel Bandeira e outros.

Um texto datilografado e marcado a caneta por Guimarães Rosa, que vem a ser um texto de marketing para ajudar a vender Grande Sertão Veredas - enfatizando que não se mencione nada sobre o fim do livro, para não estragar a surpresa dos leitores!!!

O poema José, de Drummond (E agora, José?...), datilografado pelo poeta e com um bilhete ao final: "Sossega, José. Não há de ser nada. A vida da Casa vai continuar." Um consolo ao amigo editor na época do Estado Novo, quando os negócios tiveram queda de 70%!

A Exposição José Olympio é um mundo dentro do mundo da Bienal. Valeria a pena visitar a feira nem que fosse só para ver a mostra. Ainda dá tempo. Até domingo. Abaixo, a fachada da livraria antigamente.


11 comentários:

Fernandes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
maria guimarães sampaio disse...

Quisera estar por aó para ver.
Beijo, valeu passeio por seu post. Maria

Valéria Martins disse...

Pode ser!... Um bom dia para ti também.

Fernandes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernandes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernandes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Babi Mello disse...

É uma pena que não morre ai para ir a exposições como essa. Cuiabá é meio fraca em eventos assim, mas quem sabe um dia chegamos lá.
O evento forte que temos é o literamerica.
bj!

Paloma Flores disse...

Nossa, que lindo! Adorei a fachada, muito bonita. E fiquei muito curiosa pra ver como ficou essa exposição, deve ser mesmo mágica.
Beijo e bom fim de semana!

Adrianne Ogêda disse...

E eu que esse ano jurei que não ia a Bienal... agora, fiquei curiosa! Outro dia te vi caminhando na orla de Ipanema. bjos

Adrianne Ogêda disse...

Valéria, sou amiga da Renata Garcia e fomos no espaço cultural do Leblon ("algo como... Telezon"? não sei bem). Lembrou?

Érico Cordeiro disse...

Maravilhosa homenagem.
Mais que um editor (ou livreiro), o fundador da José Olympio Editora foi um civilizador, um apaixonado pelas letras que acreditava (corretamente) que um grande país se constrói a partir dos livros.
Um fraterno abraço tenha uma excelente semana.
Ah! E que bacana você na bienal - parabéns!!!!!